Rádio Boa Nova – De Oliveira do Hospital para todo o mundo.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

2016 - O JUÍZO DO ANO


Passou o ano 2016 e é tempo de um pequeno balanço e uma reflexão sobre a nossa freguesia ou união de freguesias. 

Começando pelo associativismo, podemos dizer que as seis associações da freguesia estão de parabéns pelo trabalho desenvolvido. A Associação dos Amigos da Lajeosa – IPSS continua a desenvolver o seu trabalho no centro dia e jardim-de-infância. Ainda há tempo para manter o bar aberto, o que significa um esforço extra da direcção.

Por falar em IPSS, também a Associação de Solidariedade Professor Virgílio Hall, deu, finalmente, a boa notícia de que as obras do centro dia vão mesmo arrancar em 2017. A nova casa vai nascer no edifício da escola primária, já disponibilizado para o efeito.

A Associação Desportiva de Lagos da Beira está de boa saúde com um ano cheio de boas actividades. Para uma casa que já passou por tanta crise directiva, é de louvar o trabalho dos directores e demais equipa.

Os Amigos de Lagos da Beira – Grupo Musical, tiveram um ano repleto de actuações, levando o nome de Lagos a todos os cantos. 

A Associação Desportiva e Cultural da Chamusca da Beira, é talvez a associação mais activa do concelho. Chega a ser quase impossível acompanhar o ritmo com que as actividades se sucedem. 

A associação de Melhoramentos da Póvoa das Quartas, teve mais um bom ano, mas há que salientar o trabalho notável da Secção de Ciclismo que leva o nome da freguesia no dorso de valiosos atletas pelo país fora. 

A Junta de Freguesia cumpriu mais um ano de um mandato singular, visto que é o primeiro mandato de uma união de freguesias. Nada fácil passar por uma fase de adaptação a esta nova realidade imposta por uma lei absurda, mas com dedicação e boa vontade tem-se cumprido sem pontos negativos. 

Aquilo que deve mais preocupar a nossa freguesia é a frieza do número de falecimentos comparado com o número de nascimentos. A média anual de falecimentos ronda os quinze/ano. 2016, não foi diferente. Houve apenas dois nascimentos. Se juntarmos a estes números as pessoas que procuram a vida por outras paragens, concluímos que estamos a perder população a um ritmo alarmante com maior incidência na povoação de Lagos. 2016, fica na história como ano em que acabou o ensino básico. Já não temos crianças. Também já não temos jovens. O Programa Férias Ocupadas contou apenas com dois jovens, quando em anos anteriores era preciso fazer sorteios para as poucas vagas. A proximidade da cidade de Oliveira do Hospital devia atrair pessoas, até porque casas não faltam, mas tal não tem vindo a acontecer. Numa contagem que fiz recentemente já não cheguei às 260 pessoas. Em menos de dez anos seremos menos de 100 habitantes na aldeia de Lagos. As restantes povoações da freguesia têm mais de 80% da população total da freguesia. 

O que se prevê para 2017? Será que vamos perder mais quinze ou vinte pessoas. Nada desejável, mas o ano já começa mal. As obras do Centro Dia vão arrancar, mas a conclusão deve ficar para 2018. Será uma mais-valia para uma população envelhecida. Esperemos que o associativismo continue com a mesma força e deixo uma palavra de agradecimento e parabéns a todos os dirigentes. 2017, é ano de eleições autárquicas. A desertificação será o maior desafio para a futura nova junta. Até à data ainda não conheço oficialmente nenhum candidato, mas a procissão ainda vai no adro. Obviamente, este blogue não apoia nem desapoia qualquer candidatura. Será completamente neutro, limitando-se a informar algo que se considere útil no geral.

Resta desejar um bom ano para todos, com muita saúde. 





Vítor Paulo Fernandes