Rádio Boa Nova – De Oliveira do Hospital para todo o mundo.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

TARQUÍNIO HALL - CAPITULO 01

Para que não se perca a memória de um dos mais ilustres lagoenses de sempre, começa aqui uma série de artigos sobre a vida e obra de Tarquínio Hall. É uma questão de justiça e de respeito por um benemérito que amou, divulgou e defendeu a sua terra sem nada, rigorosamente nada, ter em troca. Quando vejo a sua última vontade anulada e desprezada, sinto que me cabe a mim avançar e defender o seu legado. Faço isso com espirito de missão, de amizade, de respeito e de pura justiça. Foi ele que me ensinou a amar a cultura e a buscar incessantemente o conhecimento. Foi ele que me fez ver que a cultura é a maior arma do ser humano, a maior riqueza e força de um povo. Foi ele que me disse que “nós, que buscamos o conhecimento temos o dever de dar o pouco que temos a quem tem ainda menos. É preciso nivelar por cima”.

TARQUÍNIO HALL - CAPITULO 01

Tarquínio Hall era filho de um casal de professores primários. Pessoas de elevado valor moral e dotadas de rara inteligência. O professor José João da Fonseca nasceu em Aldeia Velha, Concelho do Sabugal em 22 de fevereiro de 1890 e faleceu em 29 de junho de 1966. Dona Maria da Ressurreição Guilherme Hall nasceu em Aldeia das Dez, Concelho de Oliveira do Hospital, a 14 de fevereiro de 1888, vindo a falecer a 3 de maio de 1974. Ambos foram nomeados para o ensino primário em Lagos da Beira. Aqui se conheceram e aqui casaram em dezembro de 1914. Deste casamento resultam dois filhos. Tarquínio da Fonseca Hall, nascido a 9 de novembro de 1915 e Vírgilio Hall da Fonseca, nascido a 17 de novembro de 1925. Dedicarei um capítulo a Vírgilio Hall, outro grande benemérito de Lagos da Beira. Tarquínio Hall viria a ser um dos maiores vultos da cultura do Concelho e da região. O seu primeiro livro foi publicado no Funchal em 1945 com o título “Variações”. Abre o livro o poema “Canção” dedicado à bela ilha da Madeira. 

Prof. José João da Fonseca e Dona Maria da Ressurreição Guilherme Hall

CANÇÃO 

Ilha maravilha 
Esta linda ilha 

Serras altaneiras 
Deixando correr ribeiras 
Sob um túnel de verdura… 
- Paisagem luxuriosa 
Vestindo os montes, vaidosa, 
D’uma capa de verde escura 

Ondulações 
Irregulares 
Que inspiram canções 
Populares… 

Montes e outeiros 
Formando cumeadas 
E desfiladeiros 
De silhuetas rendadas… 

Encostas relvada 
Multicores 
Semeadas 
De casas e de flores… 

Vertentes 
Transpirando 
Nascentes 
Que se vão ligando 
- Medrando… 

Água que corre, gaiata 
Muito branca, cor de prata
Cabriolando 
E cantando 
Em cachões divinais 
Por arroios sinuosos 
Por riachos tortuosos 
Por ribeiras sensuais… 

- Verdadeira 
Maravilha, 
Esta ilha 
Da Madeira! 

Toda um jardim em flor 
A flutuar no mar, 
A segredar 
Canções d’amor 
E a ostentar 
A tela 
Mais bela 
Que Deus quis pintar!...

Tarquínio Hall